quarta-feira, 16 de junho de 2010

ah, meu coração...



















Ah, meu coração
fluente atento apocalíptico resoluto
pleno de vícios
alegre formoso
e em forma de gota.
No amor tem seu reino:
exercício inquieto e longo
(de claro e lúcido desempenho)
invadindo o outro
mas invadindo-o de fato
além do tato do cansaço do medo
cavalgando-o como idéia
esporas leves
pernas rudes
égua e cavalos
galope escancarado
à luz de outras janelas.
Porque se não agarra assim o outro
meu coração se perde
deixa-se ficar como coisa conclusa
vendo e tendo como urgente
um limite falso e amortizado.

Solidão de árvore
esperando o fruto.

Solidão de Lázaro
esperando o Cristo.

Solidão de alvo
esperando a seta.

Ave, poeta.

3 comentários:

  1. Que poema lindo Meee!!!
    imagem então...sem palavras;
    aiaiiiii...orgulhooooo!!!
    bjs ,até :D

    ResponderExcluir
  2. cada dia melhor, fico abismado!

    ResponderExcluir