sábado, 21 de maio de 2011

é sempre...






















É sempre no passado aquele orgasmo,
é sempre no presente aquele duplo,
é sempre no futuro aquele pânico.

É sempre no meu peito aquela garra.
É sempre no meu tédio aquele aceno.
É sempre no meu sono aquela guerra.
É sempre no meu trato o amplo distrato.
Sempre na minha firma a antiga fúria.
Sempre no mesmo engano outro retrato.

É sempre nos meus pulos o limite.
É sempre nos meus lábios a estampilha.
É sempre no meu não aquele trauma.

Sempre no meu amor a noite rompe.
Sempre dentro de mim meu inimigo.
E sempre no meu sempre a mesma ausência.


[o enterrado vivo]

4 comentários:

  1. Postagens lindas Me !!!
    saudades...
    bjos até : )

    ResponderExcluir
  2. Lindo! algumas frases traduzem bem meu dia a dia ;]

    Beijos ME!

    ResponderExcluir
  3. Sem palavras em ler esse texto tão lindooooo!

    Um beijo Me!

    ResponderExcluir