segunda-feira, 18 de outubro de 2010

deixo que o inevitável dance















© Laetitia Eskens


Já não é preciso de rir.
Os dedos longos do medo
largaram minha fronte.
E as vagas do sofrimento me arrastaram
para o centro remoinho da grande força,
que agora flui, feroz, dentro e fora de mim...

Já não tenho medo de escalar os cimos
onde o ar limpo e fino pesa para fora,
e nem de deixar escorrer a força dos meus músculos,
e deitar-me na lama, o pensamento opiado...

Deixo que o inevitável dance, ao meu redor,
a dança das espadas de todos os momentos.
E deveria rir, se me restasse o riso,
das tormentas que pouparam as furnas da minha alma,
dos desastres quer erraram o alvo de meu corpo...

Um comentário:

  1. Que imagem é essaaaa ??????
    Perfeita para o poema ...amei !
    bjks : )

    ResponderExcluir