domingo, 4 de dezembro de 2011

bato minhas asas



























[...]

Bato minhas asas em retirada.
Tu dormes, e nos teus sonhos mais secretos, não posso entrar.
Embora queira. À distância, permaneço te contemplando.
E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa,
nosso encontro pode acontecer inteiro.
Porque tu és o único que habita a minha solidão.

Um comentário:

  1. gostei do seu blog
    passando pra divulgar o meu passa
    pra conhecer

    beijos

    ResponderExcluir